Rede municipal realiza avaliação educacional especializada em estudantes ribeirinhos

• Atualizado há 3 semanas ago

A Prefeitura de Belém realizou nesta quinta-feira, 8, a avaliação educacional especializada de estudantes que apresentam algum tipo de deficiência. O Centro de Referência em Inclusão Educacional (Crie), vinculado à Secretaria Municipal de Educação (Semec), realizou as avaliações na Escola Municipal de Educação do Campo (EMEC) São José, na Ilha Grande. O Crie montou uma equipe multiprofissional, composta por fonoaudióloga, pedagogo, arte-educador, assistente social e psicólogo.

“Precisamos avaliar os estudantes e escutar as famílias para elaborar o plano de trabalho com os estudantes em parceria com a escola”, explica a coordenadora do Crie, Tatiana Maia. Foram atendidas 13 famílias e 14 estudantes das escolas Milton Monte, Sebastião Quaresma, São José e Anexo Nossa Senhora dos Navegantes.

Plano de atendimento

No final da avaliação a equipe gera um relatório que serve de base para o plano de atendimento educacional especializado, que é desenvolvido pelos professores de educação especial nas Salas de Recursos Multifuncionais. O documento também é base para encaminhar famílias para atendimentos no Conselho Tutelar e médicos especializados.

Para a moradora da ilha Murutucum, Layna Pereira da Costa, mãe do Kaique Pereira, de 6 anos, estudante da Escola Municipal Santo Antônio, o atendimento dos profissionais do Crie vai ajudar no desenvolvimento educacional do seu filho.

“O Kaique é muito hiperativo, tenho que falar muitas vezes para ele ouvir. Quando a professora dele me entregou o papel falando do atendimento, eu já me preparei pra trazer meu filho. Acho que com acompanhamento de tantos profissionais, o Kaique vai prestar mais atenção na aula” afirmou a mãe.

Acompanhamento – tualmente, a rede municipal de Educação atende 2.979 estudantes com deficiência, que são acompanhados por profissionais especializados em 84 salas multifuncionais, na sede do Crie e no Núcleo de Avaliação no conjunto Paricás, em Icoaraci.

Texto:

Luis Miranda

Veja também

Skip to content